MORAL, MORALIA, MORALINA… + Haroldo de Campos

Sempre pensei que era poeta por preguiça.
Pensei que nas letras, somente muitas dela juntas renderiam algum nome…
Pensei que as palavras deveriam, necessariamente, vir aos montes para algo construir…
Sentido, verdade, poder…
Pensei que somente o romance pudesse chamar-se: obra.
Pensava ser poeta por preguiça de fazer romance!
Não sabia que poesia era fazer, e que, isso, eu já fazia…
Foi Nietzsche, o filólogo, quem me disse.

Haroldo de Campos: EDUCAÇÃO DOS CINCO SENTIDOS (1982).

Anúncios

~ por C. Guilherme A. Salla em 20/07/2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: