Poesia com sal ou efêmeros poemas de sílica III

Eu, que não gosto da igreja e nem me dou com o capeta, em João Pessoa, dei uma de Padre Anchieta…

Eis, o último poema da série “Poesia com sal ou efêmeros poemas de sílica” que se vai, assim como vão minhas férias e se encerra o meu verão.

ODE D’ÁGUA

sdc14547

sdc14554

Cláudio Guilherme Alves Salla
cc -Some rights

PS: Veja mais poemas de sílica aqui e aqui, clicando.

Anúncios

~ por C. Guilherme A. Salla em 31/01/2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: