NANO ANTOLOGIA DA POESIA CONTEMPORÂNEA DE INDAIATUBA

Na cerimônia de entrega do 5º Prêmio Acrísio de Camargo, no qual um poema meu chamado HABITE-SE foi contemplado, deram-me a palavra para que eu pudesse expressar toda minha comoção e agradecimentos…

Balbuciei, apatetado, a única coisa que me veio à garganta:

– Leiam poesia! – foi o que eu disse.

Não, não foi um discurso minimalista, feito ao gosto dos tempos modernos, breve e conciso…

Não foi um microdiscurso lapidado à exaustão, foi apenas um… arroubo momentâneo de otimismo.

Apesar da construção verbal no imperativo, como já disse SÉRGIO SAMPAIO“eu sou quem pede e não manda / mantenha distância / da minha cabeça”.

Não que eu seja pessimista, pois, realmente, a literatura vem ganhando o seu espaço em Indaiatuba…

Um espaço vazio – é bom que se diga – mas se é justamente o vazio aquilo que torna útil o espaço, não é mesmo?

O PRÊMIO LITERÁRIO ACRÍSIO DE CAMARGO, o INDAIATUBA LITERÁRIA e o OUTUBRO LITERÁRIO são sinais positivo da batalha pela inclusão da literatura no cenário cultural indaiatubano dominado pelas oligarquias da dança, sertanejo universitário e comédias standa-up.

Até o KIMURA anda escrevendo sobre literatura no Jornal Votura… (mentira, o jornal do Kimura é a TRIBUNA DE INDAIÁ, mas é que eu não quis perder a rima).

Porém, eu falava de POESIA, lembram-se?

E, em se tratando de poesia, as coisas mudam de figura, aqui ou em qualquer outro lugar…

Por que? Por que o lugar da poesia é, invariavelmente, a ausência?

Poeta bom é poeta morto? Lugar de poeta é na cadeia… do além?

Não! Não mais!

INDAIATUBA, agora, fará o culto aos seus poetas vivos!

Viva a poesia viva! Chegou a:

NANO ANTOLOGIA

DA POESIA

CONTEMPORÂNEA

DE INDAIATUBA

Divulgar os poetas locais é o objetivo desta antologia que não se pretende definitiva e está aberta à contribuições mediante a apresentação de comprovante de residência e dos carnês de IPTU, ano base 2009, quitados, e de aprovação da comissão editorial deste blogue. (ok, mentira… esqueça a parte sobre o comprovante de residência  e o IPTU)

Abrindo a série, o fotógrafo, escritor e poeta ANTÔNIO DA CUNHA PENNA.

Penna by Sacha Ueda

O poema que inaugura a antologia foi publicado originalmente em “Um Olhar sobre Indaiatuba” da Coleção “Crônicas Indaiatubanas” da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba em 2006:

ANTÔNIO DA CUNHA PENNA é autor de “Só dói quando dou risada”, livro de crônicas, publicado em 2005 e de “Nos tempos do Bar Rex”, no prelo, livro que traz histórias do bar mais freqüentado por jovens na cidade de Indaiatuba entre os anos de 1949 e 1974. Contato: info@silvaepenna.com.br

Anúncios

~ por C. Guilherme A. Salla em 06/01/2010.

4 Respostas to “NANO ANTOLOGIA DA POESIA CONTEMPORÂNEA DE INDAIATUBA”

  1. […] This post was mentioned on Twitter by Guilherme Salla, Guilherme Salla. Guilherme Salla said: NANO ANTOLOGIA DA POESIA CONTEMPORÂNEA DE INDAIATUBA: http://wp.me/pfFUq-L0 […]

  2. Bom ver a poesia ganhando espaço, Guilherme. Viva!

  3. Viva, Nydia, viva!

    Beijo!

  4. Comentario…

    [..]Articulo Indexado Correctamente[..]…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: